Crônicas de conteúdo histórico-cultural sobre artistas, personalidades, políticos e acontecimentos em Duque de Caxias, RJ, projeto concebido pelos jornalistas Alberto Marques e Josué Cardoso.

terça-feira, abril 25, 2006

ESTRADA DE FERRO RIO D'OURO, GARANTIA DE ÁGUA PARA O RIO DE JANEIRO (Colunas 163 e 164)

►A Estrada de Ferro Rio D'Ouro começou a ser construída em 1876, para o transporte dos tubos de ferro e demais materiais, que completaram as obras de construção das redes de abastecimento d'água, asseguradas por um contrato assinado e dirigido pelo Dr. Paulo de Frontin, obrigando-a fornecer o precioso líquido no prazo de seis dias à Cidade do Rio de Janeiro. Somente em 1883, em caráter provisório, começaram a circular os primeiros trens de passageiros que partiam do Caju em direção à represa Rio D'Ouro. A Baixada Fluminense seria mais tarde dividida em três sub-ramais: Ramal de São Pedro, hoje Jaceruba; ramal de Tinguá, que se iniciava em Cava (Estação José Bulhões); e o ramal de Xerém, partindo do Brejo, hoje Belford Roxo.

Em 1896, época que os trens de passageiros passaram a circular com melhor regularidade partindo do Caju, atravessavam a rua Bela, Benfica etc. até passar por Irajá em direção à Pavuna. Nesta estação, última parada antes de adentrar a Baixada, vê-se o antigo canal onde ficava o porto rodeado de trapiches outrora pertencentes ao Comendador Tavares Guerra. Próximo a ele, uma estátua em ferro de mulher oferecia água aos passantes por uma cornucópia, chamada de "Bica da mulata".

Nas terras de Meriti, os trilhos foram assentados sobre a antiga "Estrada da Polícia", que partindo da Pavuna, iam encontrar-se com as terras de "Iguassú", em continuação à estrada que, vindo da Corte, finalizava no Rio Preto. A próxima estação é Vila Rosaly, que substituiu a "Parada Alcântara", e homenageou a esposa do Dr. Rubens Farrula, iniciativa da Empresa Territorial Lar Econômico, loteando as terras denominadas "Morro da Botica" ou dos "Barbados", em referência aos pastores israelitas que residiam próximo ao cemitério dessa comunidade e usavam barbas longas.
Coelho da Rocha - recebeu o nome do proprietário dessas terras, Manoel José Coelho da Rocha, que as cedeu para a passagem dos trilhos e colocação dos dutos, lutando posteriormente para sua transformação em transporte de passageiros. Seu neto Almerindo Coelho da Rocha, herdeiro do que sobrou da antiga fazenda criada por Cristóvão Mendes Leitão em 1739, desfez-se dela, vendendo-a para loteamento.
Belford Roxo - Antiga fazenda do Brejo e anteriormente, Calhamaço, lembrando o antigo canal do calhamaço aberto pelo Visconde de Barbacena (seu antigo proprietário), e que formava um braço do Rio Sarapuy. Sua estação recebeu este nome em homenagem a Raimundo Teixeira Belford Roxo, chefe da 1ª divisão da inspetoria de águas. Havia em frente a esta estação um artístico chafariz de ferro jorrando água, que o povo denominou de "Bica da Mulata", cuja figura mitológica de uma mulher branca sobraçando uma cornucópia oferecia aos passantes o líquido precioso, que a oxidação do ferro transformou em "mulata". Cópia da estátua existente na Pavuna.
Areia Branca - Como o nome sugere esta parada era cercada de extenso areal.
Heliópolis - Hélios = sol; polis = cidade, ou cidade do sol. Denominação de uma antiga cidade do Egito cujos habitantes adoravam o Deus Rá.
Itaipu - Ita = pedra; ipú = onde a água faz ruído, do Tupi-guarani, onde a água estronda.
Retiro - Nome do rio que esta ferrovia transpunha (Atual: Miguel Couto).
Figueira - Nome do proprietário das terras em que foram assentados os trilhos.
José Bulhões - Também proprietário da localidade pertencente à povoação de Cava, início de outro ramal com destino a Tinguá.
Cachoeira - Em suas terras corriam volumosas águas que desciam da Serra do Comércio, compostas dos rios Sabino e Boa Vista, servindo às adutoras do São Pedro.
Paineira - Homenageia uma árvore abundante no Sudeste, da família das malváceas (Atual: Adrianópolis).
Rio do Ouro - Faz jus ao rio do mesmo nome que corre pouco além de sua estação.
Santo Antônio - Neste trecho, a linha atravessava as terras da fazenda da Limeira, pertencentes à Finnie, Irmãos & Cia., e corria sobre três pontilhões.
Saudade - Parada que assimilou o nome de antiga fazenda da região ainda dos tempos das sesmarias, pertencente a uma família portuguesa.
São Pedro - Era o ponto final da linha deste ramal situada na base da serra do Couto. Os trilhos, porém, prosseguiam para o caso de manutenção até atravessarem os córregos Maria da Penha, Jequitibá e o Rio São Pedro, chegando à casa do administrador, limites do morgadio de Matto Grosso e nas vizinhanças das terras do Marquês de São João Marcos, Pedro Dias Paes Leme, descendente de Fernão Dias, o caçador de esmeraldas (Atual: Jaceruba).
Sub-ramal do Tinguá:
José Bulhões - Início dos trilhos que partiam em direção Norte em busca da raiz da serra do Tinguá.
São Bernardino - Situada em terras da fazenda São Bernardino, pertencente a Jacintho Manoel de Souza e Mello, um dos opulentos comerciantes da Vila de Iguassú, com a firma Soares & Mello, onde se vê sua bela casa assobradada em uma elevação do terreno e sinalizada por um caminho que, partindo da estação e ladeado por uma alameda de palmeiras imperiais, ia terminar à entrada principal deste palacete.
Iguassú - Sinalizava a região da antiga Vila de Iguassú. Com uma estrada perpendicular à linha, encontrar-se-ia esta antiga sede do Município e um dos portos fluviais mais notáveis da então Província do Rio de Janeiro.
Barreira - Próximo a esta parada, os trilhos cortam um morro argiloso, justificando seu nome. Aqui foram instaladas nos anos 30 as "granjas da Conceição" que dividiram uma área de 200 alqueires em lotes para chácaras e sítios.
Tinguá - Fim de linha na velha estação de passageiros. Situada à margem esquerda da serra velha, entretanto, seus trilhos continuavam para a direita na extensão de 6 km, até a represa do Bacuburú.
Sub-ramal do Mantiquira :
Belford Roxo - Partindo desta estação em direção Nordeste, a linha transpõe o Rio Botas e atinge a garganta do Manuel Ignácio, cujo nome se refere a Manoel Ignácio de Andrade Souto Maior Pinto Coelho, Márquez de Itanhaém, senhor do morgadio de Matto Grosso, cujas terras pertenceram ao Brigadeiro Francisco de Paula de Bulhões Sayão. Assim como a Fazenda Monte Alegre, que entre seus herdeiros, contava com D. Alice Sayão, casada com o Dr. João de Carvalho Araújo, que viria a ser diretor da Estrada de Ferro Central do Brasil.
Aurora - Nome também de uma velha fazenda que existiu na região, cortada pelos Rios Sayão, Botas e o Rio Baby.
Baby - Nome da parada, herdado do rio que era atravessado um pouco antes.
Parada 43 - Era antiga posição quilométrica da parada a contar do Caju (42.408m).
Lamarão - Do radical de "lama", significa a lagoa formada pelas chuvas nas depressões do terreno.
Mantiquira ou Mantiqueira - Antiga "João Pinto". Deu-lhe o nome o rio em cujo vale estende-se a linha que se dirige às represas do Galrão. É a estação de entroncamento da linha do Xerém. Está situada na velha Fazenda da Posse, pertencente à família Pereira de Sampaio. Dos mananciais que abasteciam o Rio de Janeiro é o Mantiquira o que contribuía com maior volume de água.
Galrão - Parada e fim da linha situada na antiga fazenda do Cônego Galrão, comprada pelo Governo em 1886 ao seu então proprietário Manuel Ubelhart Lengruber.
Mantiquira a João Pinto - Outro ramal partindo da Mantiquira tomava rumo Norte e passava por Piedade. Pequena parada, após transpor 8 bueiros até chegar em Xerém.
Xerém - Situada na povoação que constituiu a sede do 6º distrito do Pilar, no Município de Nova Iguaçu, tem seu nome originado no antigo proprietário dessas terras, o inglês John Charing, que desde 1725, estava ocupado em alugar barcos para transporte, através do Rio do Couto (ou Pilar), na passagem do Caminho do Ouro. Convivendo com escravos e pessoas de pouca instrução, teve seu nome modificado para Cherem e, posteriormente, definindo sua corruptela em Xerém.
João Pinto - Final da linha deste sub-ramal junto à represa para a captação das águas do rio do mesmo nome.
Registro - este sub-ramal partia de Xerém em direção às represas do Covã, Itapicú, Paraíso, Alfa e Perpétua.

(Guilherme Peres, historiador e pesquisador do Instituto de Pesquisas e Análises Históricas e de Ciências Sociais da Baixada Fluminense-IPAHB)

Bibliografia:
BARROS, Ney Alberto Gonçalves, "Estrada de Ferro Rio D'Ouro", Apostila, 1999, RJ; SANTOS, Noronha, "Meios de transporte no Rio de Janeiro", Biblioteca Carioca,1996, RJ; VASCONCELOS, Max, "Vias Brasileiras de Comunicação", Imprensa Nacional, 1935, RJ.

(Publicada em "O MUNICIPAL", Edição Nº 9064, de 14 A 28-04-2006, pg. 5. CONCEPÇÃO: ALBERTO MARQUES E JOSUÉ CARDOSO)

6 Comentários:

Anonymous Pastor Paulo Feijolli disse...

BOAS LEMBRANÇAS!

Mas uma vez, parabéns!
Foi bom reviver a historia da finada Estrada de Ferro Rio do Ouro, quando da na infância tivemos oportunidade de por ela viajar inúmeras vezes para o Rio e Baixada.
Pena que não ficou pedra sobre pedra, nenhuma estação, trilhos, locomotivas, fotos... Uma pena!
Nas escolas do município estas matérias deveriam fazer parte do programa educativo.
Abraços

Pastor Paulo Feijolli

3:02 PM, abril 26, 2006

 
Blogger Ronaldoello disse...

BONS TEMPOS QUE NÃO VOLTAM MAIS...
Parabéns Alberto e Josué! Muito obrigado por me transportarem mais uma vez pela velha E.F.Rio D'ouro, do Irajá até Cava e Cachoeira, c/baldeação em Belford Roxo.
Bons tempos de um menino que ia de férias p'ra quela região, de 1955 a 1961, sonhando a bordo da saudosa "Maria Fumaça"...Obrigado!
- Eu era feliz e não sabia...(A.A)

2:26 PM, abril 19, 2008

 
Blogger L34ndr0 R1b31r0 disse...

Parabéns pelo excelente trabalho, acredito ser o mais completo trabalho sobre a história da baixada que já encontrei.

Eu sou morador do bairro de Xavante que fica no município de Belford Roxo, e advinha a antiga estrada de Ferro Rio D'Ouro passava a duas ruas da minha casa, sempre tive a curiosidade de descobrir até onde ela ia.

Foi procurando alguns dias na internet que encontrei seu blog e outros materiais, e consegui enfim traçar a rota da antiga estrada de Ferro Rio D'Ouro.

Agora enfim ficou feliz por saber toda a história da estrada de ferro que eu nunca vi mas sempre sei que existiu, e também triste por saber que ela assim como outras grandes obras acabou por omissão do nosso "governo".

Ainda hoje existem 2 pontes de ferro passando por cima do rio Botas, pontes essas que acompanham os canos de aço que levam água de Xérem até a cidade do Rio de Janeiro.

Se for do seu interesse posso te passar alguns links com os mapas da antiga estrada de ferro.

Mais uma vez parabéns.

Abraço e muito sucesso!

att,
Leandro Ribeiro

8:56 PM, agosto 06, 2008

 
Blogger CLAUDIO disse...

Alberto parabéns pela sua pesquisa, hoje com 50 anos sinto muita saudade dos tempos de garoto, quando morava em Paineiras hoje Adrianóplois.Nesta época trabalhavamos,eu e vários garotos em uma fábrica de fogos que ficava escondinda dentro da mata, e qundo escutava-mos o barulho da maria fumaça todos tentavam advinhar o número da locomotiva se era a 1511, 1513, etc.Que saudade, eramos felizes? sim.

Abraços, Claudio Gonçalves

12:01 PM, fevereiro 15, 2009

 
Blogger arlete disse...

eu vivi em adrianopolis sinto saudades meu tio morava na cachoeira era seu luizinho tomei muitos banhos la que saudades.

10:41 AM, janeiro 09, 2010

 
Blogger paulo mendes disse...

meu nome e paulo eduardo eu com pouca idade vi uma maquina perto da estaçao de vicente de carvalho avia muito lixo na linha e o trem empurou o lixo e segiu viajem eu tinha uns sete anos depois disso nao vi mas trens passando por ali me lenbro da estaçao de vicente de carvalho e da linha abandonada e depois a implantaçao do metro abs a todos.

7:08 PM, julho 31, 2010

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial